quarta-feira, 18 de abril de 2012

O Manifesto do Cozinheiro - Por Roberta Sudbrack


Amei este texto...sem mais, com vocês, a simplicidade de ROBERTA SUDBRACK:


Ser cozinheiro é enxergar a vida - a vida inteira - com os olhos curiosos da descoberta. Tudo é novo? Espera aí, mas isso eu já vi em algum lugar! Sim e não. Viu, mas não viu. E se viu, ora, que diferença faz? Tudo pode ser novo de novo para o cozinheiro. Sobretudo o velho! E como pode ser surpreendente quando observado com olhos curiosos. Tudo é motivo para ver de novo. Tudo é motivo para acreditar que qualquer coisa é possível. Qualquer espessura é alcançável. Qualquer ingrediente é maleável. Qualquer sabor é conhecido. Ou não? E se não for, melhor ainda. Mãos à obra e mente aberta, você é cozinheiro!

A nossa vida começa a ser reescrita todos os dias junto com o mise en place. É sempre um novo capítulo e um parágrafo mais interessante do que o anterior. Outra história a ser vivida, dividida e sofrida... Como sofremos. Sofremos fisicamente e essa parte não varia. No pacote estão incluídas as bolachinhas inteiras e as que perderam o recheio também. É pegar ou largar! Sofremos emocionalmente. Profundamente! A entrega não é uma escolha, é um fundamento. Ser cozinheiro é entregar a vida diariamente à missão de servir e sonhar.

Sonhamos com sorrisos, gargalhadas, tilintares de copos e na melhor das hipóteses uma lágrima. De alegria. De recordação. Uma lembrança. Um sorriso calado. Servimos diariamente com a convicção de quem decidiu que assim seria. Entramos pela porta dos fundos e usamos o banheiro da área de serviço. Estamos a serviço, ora! Somos felizes, muito felizes. Não conheço um cozinheiro triste. Conheço pessoas que imaginam ser cozinheiro e são tristes. Claramente porque não são.

Servir, essa não é uma tarefa para qualquer um. Requer delicadeza, humildade, destreza. Estamos sempre um passo atrás dos ingredientes, somos apenas os instrumentos encarregados da sua expressão momentânea. Estamos um passo atrás de você. Fazemos reverência a sua presença, vibramos com ela, sonhamos com ela diariamente. Vivemos na expectativa de acolher. Servimos sonhos na expectativa de colher sorrisos.

E quando uma noite acaba, quando o corpo se arrasta pela cozinha, aqueles mesmos olhos curiosos agora estão baixos e os batimentos cardíacos começam a voltar a um nível com o qual não sabemos conviver. Começamos imediatamente a pensar no mise en place de amanhã! Ele é a certeza de que a nossa história é como a dos balões: tem sempre um lugar de partida, de chegada jamais!


Texto retirado DAQUI.

3 comentários :

  1. Adoro os textos sobre cozinha e os seus bastidores, e tempos atrás eu li um outro da Sandra S. e adorei foi na Gula também se não me engano, esse não tinha visto ainda. E quando ela deu uma entrevista na Globonews, achei o máximo de sua hierarquia, coisa dificil nas cozinhas de hoje,
    bjs
    Paula

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Ana Paula,
      É um texto que eu gostaria de ter escrito. Cozinha é isso mesmo: um prazer renovado. Só sente isso quem gosta.
      Tenho mania por textos bons, guardar, colecionar e divulgar, como você está fazendo. O que é bom é para ser partilhado.Esse vai entrar no meu "acervo".
      Obrigada pelos conselhos sábios sobre o blog. É isso mesmo.
      Por sinal, o seu está muito bom.
      Bj e ótima quinta,
      Lylia

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...